sábado, junho 15, 2024
HomeEconomiaInadimplência em Bento Gonçalves em 2022 segue tendência de aumento do cenário...

Inadimplência em Bento Gonçalves em 2022 segue tendência de aumento do cenário nacional

Conforme levantamento da CDL-BG, houve acréscimo de 10% no montante de dívidas entre os bento-gonçalvenses, semelhante ao registrado no país.

O reestabelecimento progressivo da normalidade, após o período de pandemia, trouxe reflexos nos dados computados pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Bento Gonçalves sobre a inadimplência no município. Depois de apresentar um cenário de estabilidade no ano anterior, o levantamento referente a 2022 mostrou aumento de 10,48% no montante da dívida dos inadimplentes na cidade.

O déficit dos consumidores com o varejo volta a se aproximar do registrado em anos anteriores. “O ano que passou consolidou um cenário de retorno às condições pré-pandemia, o que devolveu o comportamento mais típico de consumidor. A movimentação no comércio também acompanhou essa tendência, com reflexos na questão da inadimplência, aparecendo como situação crônica no panorama socioeconômico local e nacional”, avalia o presidente da CDL-BG, Marcos Carbone.

Esse raciocínio segue a lógica de outro dado mostrado na pesquisa, o dos registros ativos no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Em relação à 2021, houve aumento de 3,82%. A maior fatia dos registros no SPC, aponta o levantamento, é oriundo de pessoas físicas, mas chama atenção o crescimento de inclusões envolvendo pessoas jurídicas no sistema do SPC.

Perfil dos cadastros

Assim como registrado em 2021, a maioria dos inadimplentes continuam a dever para o comércio um ticket médio que varia de R$ 100 a R$ 250. O que mudou, no entanto, foi o leve aumento de 35% para 35,71% do contingente de devedores. A dívida com valores de R$ 250 a R$ 500 foi a que registrou a maior queda: 20,75% para 15,16%. Por outro lado, houve aumento entre aqueles que devem as quantias menores. O crescimento na fatia dos consumidores que estão com débitos entre R$ 50 e R$ 100 passou de 18% para 22,98% – enquanto as dívidas abaixo de R$ 50 e acima de R$ 500 se mantiveram estáveis (11% e 15%, respectivamente).

Os números da inadimplência apresentados pela CDL-BG também mostram um dado que chama a atenção: após um salto considerável em 2021, o número de mulheres endividadas caiu de 75,47% para 57,21%, enquanto o dos homens subiu de 24,53% para 42,80%.

Se em 2021 quem mais devia era o público entre 40 a 49 anos, no ano que passou os adultos de 30 a 39 anos assumiram a primeira colocação. A faixa dos 30 que representava 22,89% subiu para 27,34%, enquanto a faixa dos 40 caiu de 25,07% para 22,28%. Entre os idosos com mais de 65 anos, o índice registou queda de 6,63% para 4,99%. Quem cresceu foi o montante de jovens endividados: as faixas de 18 a 24 e de 25 a 29 anos subiram cerca de dois pontos percentuais em 2022 – de 12% para 14%, em ambos os casos.

O tempo de registro foi o dado que sofreu a principal mudança. Em 2021, o período de inadimplência que concentrava a maioria dos casos era de dois a três anos, com 23,02% do total – no ano passado, passou para 14,05% e caiu para a quarta posição. Agora, a maior fatia mostra um tempo menor de registro – de 9 a 12 meses, computando 20,84% (antes, esse montante era de 16,62%). Na segunda colocação estão os que quitam suas dívidas já no primeiro mês, representando 15,65% do total – um aumento de 6% em relação à 2021. A terceira posição é de quem permanece com a dívida entre 1 e 2 anos (14,79%, frente os 20,41% de 2021).

“Essa mudança de comportamento no tempo de registro é o dado que mais chama a atenção. Apesar do aumento no montante geral da inadimplência, percebemos que o consumidor está conseguindo quitar suas dívidas com maior agilidade. Isso pode indicar uma mudança de postura frente às dívidas e uma reorganização financeira mais salutar”, considera Carbone.

Inadimplência no Brasil também apresenta aumento

Em consonância com o identificado em Bento Gonçalves, o número de inadimplentes no cenário nacional também voltou a crescer. O levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aponta que quatro em cada dez brasileiros adultos (40,15%) estavam negativados em janeiro deste ano. Nesse mês, o volume de consumidores com contas atrasadas cresceu 7,74% em relação ao mesmo período de 2022, atingindo 65,19 milhões de brasileiros.

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments