quarta-feira, julho 24, 2024
HomeEducaçãoESG: Empresas terão que ser adaptar e trabalhar de forma ecologicamente correta

ESG: Empresas terão que ser adaptar e trabalhar de forma ecologicamente correta

O termo ESG foi criado em 2004 pelo Pacto Global em parceria com o Banco Mundial e ganhou maior repercussão nos últimos anos

Ser uma empresa de energia limpa e ecologicamente correta não será em pouco tempo mais uma opção para empresas do Brasil e do mundo. Para o engenheiro e especialista em logística, Antonio Wrobleski, em um futuro próximo, de cinco a dez anos, a prática da ESG, do inglês environmental, social, and corporate governance, traduzido como governança ambiental, social e corporativa, será um aspecto fundamental na economia e já está em processo de valorização entre os gestores

“A prática da governança ambiental, social e corporativa deveria ser prioridade mundial, mas o processo ainda está no início. O Fórum Econômico Mundial de Davos chamou a atenção para a importância do ESG, reforçando apontamento do Pacto Global Rede Brasil, de que o termo ESG vem sendo considerado essencial nas análises de riscos e nas decisões de investimentos do mercado financeiro”, explica Wrobleski. 

Relatório da PwC aponta que 77% dos investidores pesquisados disseram que planejam parar de comprar produtos não ESG nos próximos anos. De acordo com o documento da PwC, até 2025, 57% dos ativos de fundos mútuos na Europa estarão em fundos que consideram os critérios ESG, o que representa US$ 8,9 trilhões.

Para o especialista, o “xis” da questão é que muitas empresas estão embarcando no  green washing e social washing. Green washing é quando a empresa propagandeia ações ambientais apenas para divulgar marca, e não como política de longo prazo. A empresa divulga ações, mas realiza muito pouco. Social washing é a mesma coisa, sobre ações sociais, e isso não será mais uma opção nos próximos anos. 

“O ESG não provoca diretamente aumento de produtividade ou maior eficiência produtiva no curto prazo. Mas promover inclusão e reduzir a emissão de carbono é pauta de toda a sociedade, essencial para que o mundo continue existindo.. A consultoria Deloitte aponta que a mudança climática, se não for controlada, pode custar à economia global US$ 178 trilhões de 2021-2070”, comenta.  

O relatório da Deloitte mostra ainda que os custos humanos seriam maiores, com falta de comida e água, perda de empregos, piora da saúde e do bem-estar, redução do padrão de vida. O Banco Mundial estima que a crise climática vai provocar a migração de mais de 216 milhões de pessoas até 2050, potencializando conflitos por recursos como água e alimentos. Outro estudo, da Allianz, revela que catástrofes naturais representam o segundo maior risco para as empresas brasileiras.

Segundo Wrobleski, na busca da sustentabilidade, o mundo corporativo está criando formas de incentivar o ESG nas empresas, como a remuneração em bônus para executivos que adotam ações ambientais e sociais. Segundo levantamento da Aberje, 95% das empresas brasileiras têm ESG como prioridade em suas agendas. Estudo do IBM Institute for Business Value (IBV) deste ano mostra que o assunto é prioridade máxima para 48% dos CEOs brasileiros.

“Apesar de todo o interesse pelo tema, questões como logística reversa e movimento circular ainda estão começando a ser praticadas no Brasil. Vendedores e embarcadores deveriam ser responsáveis pelo descarte do produto, a partir da implementação de um programa de logística reversa, que hoje ainda é incipiente no País. Esse deveria ser um programa de governo. Quem vende é obrigado a dar uma destinação final para o produto descartado.Temos experimentado na pele a questão de clima e temperatura. ESG não deveria mais ser um programa de propaganda de eficiência. Eficiência é entendermos, e colocarmos em prática rapidamente, que temos um só planeta. Não temos plano B para a Terra e a sustentabilidade é obrigação de todos.”, finaliza.  

Sobre Antonio Wrobleski*

Especialista em logística, presidente da BBM Logística, sócio e conselheiro da Pathfind. Engenheiro com MBA na NYU (New York University) e também sócio da Awro Logística e Participações. Ele foi presidente da Ryder no Brasil de 1996 até 2008. Em 2009 montou a AWRO Logística e Participações, com foco em M&A e consolidação de plataformas no Brasil. Foi Country Manager na DHL e Diretor Executivo na Hertz. O trabalho de Antonio Wrobleski tem exposição muito grande no mercado Internacional, com trabalhos em mais de 15 países tanto no trade de importação como de exportação. Além disso, ele é faixa preta em Jiu-jítsu há 13 anos e pratica o esporte há 30 anos.

RELATED ARTICLES
- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments